Infraestrutura e Tecnologia:
Tecnologias adequadas à agricultura familiar

A atividade agrícola pode ter dinâmicas distintas, dependendo de fatores como o porte da propriedade, as práticas adotadas, a variedade de culturas plantadas e os recursos disponíveis. Por este motivo, é importante se ter um olhar atento para a aplicabilidade de inovações tecnológicas à realidade da agricultura familiar. No caso de um pulverizador, por exemplo, o tamanho e a capacidade do equipamento, para atender um grande produtor, podem diferir muito do que seria adequado para atender um agricultor familiar.

Engajar atores envolvidos no desenvolvimento de inovações agrícolas para buscar soluções para esse público é um caminho importante a ser trilhado. A participação dos próprios agricultores familiares nesse processo é valiosa não só para garantir aplicabilidade, mas também considerar conhecimentos locais e inovações já criadas por eles, aproximá-los dessa rede, criar relações de confiança e fomentar a adoção das novas tecnologias.

As diretrizes a seguir são propostas a fim de contribuir para essa missão.

Fomentar os atores e espaços ligados à inovação para a agricultura familiar

Realizar eventos de desenvolvimento tecnológico, como hackathons, voltados à criação de modelos de negócios e soluções para a agricultura familiar.

Realizar parceria com universidades para envolver alunos no desenvolvimento de inovações tecnológicas (ex: disciplinas, convênios e bolsas de estágio).

Criar núcleos regionais que envolvam agricultores, para o desenvolvimento e disseminação de inovações tecnológicas, considerando especificidades, potencialidades socioeconômicas e ambientais e saberes locais.

Criar arranjos de parceria que contemplem a adaptação e implementação de tecnologias agrícolas para seus fornecedores.

Realizar ações de desenvolvimento tecnológico, como hackathons e programas de corporate venture, voltados à criação de modelos de negócios e soluções para a agricultura familiar.

Buscar junto a universidades inovações tecnológicas que contribuam para as atividades de seus fornecedores (ex: parcerias para aplicação no campo, contratação de empresas júnior).

Atuar setorialmente, em associações como APAS, ABRAS e ABIA, para incentivar que ferramentas e tecnologias sejam criadas e viabilizadas para agricultores familiares.

Promover a adoção de novas ferramentas e tecnologias no campo

Aumentar a oferta de conectividade no meio rural.

Envolver agricultores para implementar novas ferramentas em suas propriedades, incentivando adoção por parte deles e demais produtores da região.

Divulgar e reconhecer novas tecnologias, inclusive as criadas pelos produtores e de baixo custo (ex: eventos regionais, fazendas modelo, premiações).

Reconhecer a criação e adoção de inovações tecnológicas por fornecedores, e comunicando os benefícios socioambientais aos consumidores finais, quando houver (ex: premiações de fornecedores, divulgação nas lojas).

Promover a troca de experiências ligadas à adoção de tecnologias entre fornecedores (ex: encontros entre agricultores da cadeia, visitas a propriedades).

Nº 1.a

O Hackaton Expo Rio Preto 2018 teve como objetivo promover soluções inovadoras para a Agricultura Familiar.

Nº 1.b

As Secretarias de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e de Desenvolvimento Rural (SDR) realizam o Hackathon Desafios Bahia para criar soluções inovadoras por meio de tecnologias digitais para a agricultura familiar.

Nº 1.c

Agricultura familiar e digital terão destaque na programação da Esalqshow.

Nº 1.d

Hello Tractor é um negócio social que conecta proprietários de tratores com pequenos agricultores na África subsaariana por meio de um aplicativo de compartilhamento.

Uma das frentes de atuação do Núcleo de Inovação Tecnológica para a Agricultura Familiar (NITA), sediado no Estado de Santa Catarina, é o fomento ao empreendedorismo, aproximando necessidades da agricultura familiar a universidades e instituições acadêmicas. Espera-se, dessa forma, que novas empresas e startups sejam criadas para atender às demandas dos agricultores familiares do estado.

Nº 3.a

O Ecolume é um projeto de pesquisa e desenvolvimento do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em parceria com instituições de pesquisa e ensino e com o Serta, uma escola de ensino técnico e formação profissional em agroecologia. O projeto criou uma solução tecnológica que viabiliza a produção de alimentos e a geração de energia no Semiárido nordestino.

Nº 3.b

O NITA se propõe a ser um articulador entre organizações envolvidas no desenvolvimento de inovações tecnológicas para a agricultura familiar. Aproxima instituições pública e privadas, startups, pequenos e médios negócios, universidades, organizações de assistência técnica e extensão rural a agricultores familiares, para fomentar a criação de soluções para este público.

A Cooperativa Aurora e o Sebrae-SC formalizam parceria no projeto “Encadeamento Produtivo do Agronegócio”, que tem como objetivo contribuir com a melhoria dos índices de produtividade e competitividade, promovendo a inserção de pequenos negócios em cadeias de valor de grandes empresas por meio de relacionamentos cooperativos.

Nº 5.a

Mãe Terra Hack – 1º evento que busca soluções com foco na democratização de alimentos naturais e orgânicos da marca.

Nº 5.b

Núcleo de Inovação da Associação Empresarial de Rio do Sul (ACIRS) promove 1º Hackathon de Agronegócios de Rio do Sul, em parceria com a Prefeitura Municipal da região.

Nº 6.a

Projeto piloto do Governo do Estado leva internet ao meio rural catarinense.

Nº 6.b

Altave Explorer: balão de monitoramento e conectividade 2G/3G/4G para zonas rurais.

A Batata da Salvação é uma tecnologia social utilizada para irrigação por capilaridade, criada pela Fundação de Apoio à Agricultura Familiar do Semiárido da Bahia (FATRES-BA), em parceria com agricultores familiares da região.

Relatório de divulgação dos resultados da 3ª Mostra de Máquinas e Inventos para a Agricultura Familiar, um evento realizado em 2014 pela Embrapa Clima Temperado em parceria com a Emater/RS-Ascar e a Universidade Federal de Pelotas.

Empresa de alimentos finlandesa cria rótulo para indicar ao consumidor a pegada de carbono e hídrica de seus produtos, com mapeamento de todo o ciclo produtivo.