Projeto Ora-pro-nóbis

Organização proponente: Proteios Nutrição

O que é

A região Sul concentra mais de 90% da produção de fumo no Brasil, realizada principalmente em pequenas propriedades familiares. Buscando diversificar a renda dessas famílias, o projeto Ora-pro-nóbis atua para desenvolver a cadeia produtiva da ora-pro-nóbis em regiões predominadas pela fumicultura.

A iniciativa é liderada pela Proteios, uma empresa que oferece para a indústria alimentícia e farmacêutica um produto denominado Complemento Nutricional Funcional (CNF) – proteína vegetal em pó formada basicamente por folhas de ora-pro-nóbis.

Uma das principais inovações do projeto foi identificar o potencial do cultivo em larga escala de uma planta não convencional como a ora-pro-nóbis (também chamado de PANC – planta alimentícia não convencional). A empresa busca construir uma relação justa com os agricultores por meio da integração entre produção, assistência técnica e garantia de renda.

Por meio da articulação de uma rede composta por produtores, extensionistas, pesquisadores e representantes da Proteios, foi desenvolvido um plano de trabalho para transmitir aos produtores técnicas para que o cultivo de ora-pro-nóbis tenha alta produtividade.

Destaques

O trabalho conduzido pela Proteios foi considerado pelo Bota na Mesa como uma referência para a atuação de empresas no desenvolvimento de suas cadeias produtivas, fruto de uma relação direta entre a empresa e os seus fornecedores.

Muitas práticas de cultivo e de beneficiamento das folhas tiveram que ser alteradas para garantir a qualidade desejada dos produtos. Por isso, os produtores, que por gerações estavam inseridos exclusivamente na cadeia do fumo, tiveram o apoio direto de uma equipe de assistência técnica da empresa.

Além disso, a Proteios teve um papel importante de articulação junto a órgãos públicos e bancos para que fosse possível o acesso às linhas de crédito específicas para a agricultura familiar (ex: Pronaf Investimento). Além da aquisição das mudas, os agricultores compraram equipamentos para a desfoliação e desidratação das plantas. Essas duas atividades contribuíram para a agregação de valor aos produtos e o aumento de renda das propriedades.

Um aspecto importante em relação ao acesso a crédito foi a garantia de compra firmada entre a Proteios e seus fornecedores. O diferencial, que proporcionou segurança para que os agricultores implementassem a diversificação dos cultivos, foi atrelar a duração dos contratos ao tempo do financiamento dos equipamentos adquiridos. Dessa forma, a compra da ora-pro-nóbis desidratada estava certa, pelo menos enquanto durasse a responsabilidade perante os bancos.

No momento da inscrição da chamada de casos do Bota na Mesa, o trabalho envolvia 80 famílias da região centro sul do Paraná e do planalto norte catarinense. Os planos na empresa são para multiplicar esse número e atingir cerca de 1000 agricultores. Em termos de mercado, os próximos passos são a obtenção da certificação orgânica do produto, buscando expandir a atuação nos mercados nacional e internacional.

Contato: Marcos Rochinski – comunicacao@proteios.com.br